Eu, o STF e o meu irmão.

O meu pai é negro. O pai dele era branco e a mãe negra. A minha mãe é branca. O pai dela era negro e a mãe branca. Eu não sou branco. Mas sou mais branco que o meu irmão mais velho. Somos fisicamente muito parecidos. Temos a mesma altura. Calçamos o mesmo numero de sapato. Ele é um pouco mais forte que eu. O cabelo dele é melhor que o meu. Mas ele  é negro.

 

Nós dois cursamos o senai no mesmo lugar. Em anos diferentes. Um dia ele fez uma lista dos apelidos e xingamentos que recebia durante o curso. Enchia uma folha de caderno. Eu só tive um apelido. Apelido esse que eu ganhei por ser irmão dele.

Na rua as pessoas pediam informação. Falavam comigo, não com ele. Perguntavam as horas pra mim. Nós dois estavamos de relogio. Panfletos também só eram entregues pra mim. Na hora de pagar a conta a mesma coisa o garçom sempre entregava a conta pra mim.

Um dia fomos em um banco juntos. Eu tava com a mochila. Entrei sem problemas. Ele não tinha nada. Ficou barrado na porta.

Ele terminou o curso do Senai. E está fazendo graduação  numa faculdade particular como bolsista do Prouni. E muito mais qualificado que eu.  Trabalha como torneiro mêcanico.  É operario.

Eu estou desempregado agora. Mas trabalhava em escritório e tinha cargo de chefia.

Somos ambos de uma familia pobre. Ambos tivemos a mesma horrivel educação publica.

Só que ele é negro. Eu não.

 

É por isso que a votação de ontem do STF foi histórica. O Brasil é racista sim. O meu irmão bem sabe disso.

 

Anúncios

25 comments on “Eu, o STF e o meu irmão.

  1. Em geral eu gosto muito dos teus textos. Mas sempre tem uma ou outra coisa que deflagra a minha implicância. Nesse caso aqui é o “cabelo melhor”. Que é provavelmente irônico. Mas aí gente que eu gostaria que lesse esse texto, não entenderia a ironia. Então acho que é prejudicial.

    Abraço

  2. Sim. Vai entrar na universidade com cotas, vai se formar, e continuar sendo operário (tanto que no próprio texto já diz que ele já está fazendo faculdade). Ou seja, a discriminação vai continuar na cabeça do racista, não vai ser uma cota que vai mudar isso. A única coisa que a cota faz é gerar mais discriminação, agora na cabeça dos branco pobres que não conseguirem entrar.

    • a cota nao vai gerar mais discriminação. ela vai corrigir essa anomalia que ja existe. vc ser pobre no brasil e ruim. vc ser pobre e negro e pior ainda. e isso que o meu texto diz. e por isso que as cotas RACIAIS sao necessarias. vc nao percebeu no meu texto o tanto de portas fechadas e discriminação o meu irmao sofreu UNICAMENTE por ser negro ? Todas as vezes que ele foi barrado nos lugares ele foi por ser negro. pq eu era tao pobre quanto ele e entrava. Vc se perguntou pq nós fizemos o mesmo curso pra operario mas ELE é operario e eu nao ? e que isso vai me trazer um salario melhor. uma vida melhor. e que talvez os meus filhos nao precisem estudar em escola publica e os filhos dele, um operario, talvez precise ? AS minhas chances de ascender socialmente e profissionalmente sao melhores que as deles nao pela nossa capacidade mas SIMPLESMENTE pq eu tenho a cor certa. A cabeça dos racistas continuaria racista tendo ou nao cotas. As cotas vao apenas tornar o jogo mais igual pra quem sempre foi tratato de forma de desigual. Espero sinceramente que vc entenda isso.

    • Por que vc acha que ele vai continuar sendo operário, se o mesmo está fazendo faculdade?? Eu só arrumei meu primeiro emprego depois da faculdade, e acredito que qualquer pessoa que se esforce um pouco também consegue.
      Os racistas sempre tem muitos argumentos, e o mais frequente deles é “e os brancos pobres??” Como foi dito no STF, é difícil até pra negro arrumar trabalho como garçom (a maioria é branca), estão sempre na limpeza, nos fundos, escondidos.
      As cotas servem pra isso mesmo: acostumar-se a ver os negros em funções não subalternas.
      Não servem apenas pra acabar com a pobreza. É para acabar com o preconceito.

  3. Eu já fui contra o sistema de cotas, utilizando o argumento (correto, diga-se de passagem!!!) de uma boa parte dos que são contra: Não é colocando na faculdade quem não está preparado que as coisas vão se resolver. Aluno sem preparação anterior em uma faculdade pública está fadado ao mesmo insucesso que teria se não fizesse a faculdade, ou seja, NÃO VAI MUDAR O FUTURO DA PESSOA!!! Mas passei a ser a favor do sistema de cotas por outra razão: PORQUE CHEGUEI à conclusão de que neste nosso Brasil os consertos de qualquer problema NÃO SE DÃO pela base. Simplesmente não acontece!!! A educação fundamental é que deveria ser melhorada, com professores bem pagos e estrutura educacional. Como não vai acontecer mesmo, que pelo menos lá em cima, no sistema de cotas, alguns poucos cotistas poderão, em contato com outros mais afortunados financeiramente, criticar esse nosso Brasil tão cheio de idiossincrasias e perplexidades. Não vão mesmo resolver o problema de educação no Brasil. Não vão. Então… que venham as cotas!

  4. André, parabéns pelo seu post! Vc fez um retrato da sociedade brasileira racista! Vc viu bem de perto como o racismo funciona. Porque me impressiona muito as pessoas não acharem estranho nunca terem tido um colega negro na universidade ou um colega de trabalho… em que mundo elas vivem?O STF ao julgar constitucional as cotas, reconhceu o racismo do Estado Brasileiro. Muito bom ler posts como os seus, de pessoas que entendem que ter a pele mais clara nesta sociedade significa ter um privilégio. Abraços!

  5. O preconceito existe a partir do momento que inventamos palavras e cotas…ESTUDEI EM ESCOLAS PÚBLICAS, SOU MUITO BRANCA, E JUDIA!!!(COMO MUITOS DIZEM , NÃO EXISTE JUDEU POBRE…OLHA O PRECONCEITO AI!!!!) O PAÍS NÃO PRECISA DE COTAS, PRECISA DE BOA EDUCAÇÃO PÚBLICA…O NEGRO NÃO É MENOS QUALIFICADO QUE O BRANCO!!!!!!!! QUANDO ESTUDEI EM ESCOLAS PÚBLICAS TINHA 50% BRANCO E 50% NEGRO!!!!!! TINHA MUITAS AMIGAS BRANCAS CAIXAS DE MERCADO…TINHA MUITO AMIGO BRANCO OPERÁRIO!!!!!! PALAVRAS COMO HOMOFOBIA, HOMOSSEXUAL, RACISMO, NAZISMO…SÃO TERMOS INVENTADOS PARA PODERMOS ASSUMIR OS PRECONCEITOS…O HOMEM NECESSITA INVENTAR TERMOS PRA DIFERENCIAR UM POVO QUE É IGUAL!!!!!!!! SEREI SEMPRE CONTRA COTAS…SOU A FAVOR DA BOA EDUCAÇÃO PÚBLICA SIM….E DE POLÍTICOS QUE SE IMPORTEM COM SEUS CIDADÃOS…
    ACEITAR A COTA É DAR VÁRIOS PASSOS PRA TRÁS.
    ABRAÇOS.

  6. O texto é real, é o que acontece, mas eu acredito no ser humano apesar do racismo e que querer é poder e o irmão provou isso chegando até a graduação e vai provar muito mais e não devemos parar com as barreiras e sim transpô-las. Abração!!!…

  7. CONCORDO COM SUA INDIGNAÇÃO…TENDO UM IRMÃO QUE SOFRE PRECONCEITO DEVE SER TERRÍVEL…DE VERDADE.
    MAS CONSEGUI ENTRAR EM 2 UNIVERSIDADES PÚBLICAS,MESMO ME FORMANDO NUMA ESCOLA ESTADUAL SEM PROFESSOR DE MATEMÁTICA,, SEM SABER QUE EXISTIA TRIGONOMETRIA, SEM SABER QUE EXISTIAM 2 TIPOS DE MATÉRIAS DE QUÍMICA, DE FÍSICA!!!!!
    E NA FACULDADE (UFRJ) TINHA (OK, NÃO MUITOS) AMIGOS NEGROS…E TODOS ESSES MUITO MAIS BEM SUCEDIDOS PROFISSIONALMENTE QUE EU HOJE!!!!!
    TE ENTENDO, POIS SENDO JUDIA SOFRI PRECONCEITOS DE LEIGOS QUE SENTEM ÓDIO POR JUDEUS NO BRASIL(?????) SEM ENTENDEREM O MOTIVO!!!!!!
    MAS NÃO SEREI A FAVOR DE COTAS…ACHO TRISTE ABAIXARMOS A CABEÇA PRA UM MONTE DE PILANTRAS DENTRO DE BRASÍLIA!!!!!!!
    ELES NÃO QUEREM NEGROS, ÍNDIOS, JUDEUS, ÁRABES, JAPONESES…ELES QUEREM DINHEIRO PRA SEUS FAMILIARES!!!!

    • Vc acha que homofobia, homossexual, racismo, nazismo são termos inventados???
      Em qual planeta vc vive??
      No seu comentário anterior vc disse que racismo é invenção e agora diz que deve ser terrível ter um irmão que sofre preconceito……bem contraditório, não acha?

      • Thais,
        Sugiro que você leia um livro chamado Curso de Linguística Geral, sobretudo o capítulo Língua e Palavra que trata da dicotomia significante X significado para entender que as palavras que você cita foram sim inventadas para darem nomes a sentimentos, ideias e comportamentos bem existentes e concretos em nossa sociedade.
        Eu sou pobre, minha mãe é negra, e eu também cursei duas faculdades numa época em que não existia nenhuma cota e nem nada do tipo, sabe quantos negros haviam nas salas de aula? nenhum! Por que eu consegui e eles não? Pelo meu esforço? Eu consegui porque primeiro eu consegui passar pelo ensino público e não sofri preconceito por conta da minha cor, como a minha mãe sofreu quando ela foi aluna. Eu consegui porque meu pai era branco e tinha um emprego razoável que me permitiu estudar e não precisar largar os estudos para contribuir com o orçamento de casa. Eu consegui entrar na universidade, porque as portas se abriram muito mais facilmente para mim e acredito que isso se deva à cor da minha pele, porque a sociedade reserva a porta dos fundos e as grades para aqueles que são negros, pardos, mulatos. Os índios, a maioria nem se lembra que existem. Ficaram para folclore mesmo.
        Então, Thais, que bom que você, uma judia branca não sofreu para entrar na universidade. Houve um tempo em que pessoas como você sequer sairiam vivos dos guetos onde ficavam confinadas. Tal como os negros que não conseguem sair do gueto do subemprego e da marginalização sem a ajuda de políticas afirmativas que o impulsionem a subir na escala social e econômica.
        Parabéns por ter se formado pelos seus méritos. Se isso é tão importante para você e te faz melhor do que qualquer outro que tenha ingressado em uma universidade por um meio que lhe é de direito.

  8. O resultado sobre as cotas, foi incrível!!! Pena que com cotas ou sem elas, o RACISMO NUNCA VAI TER FIM… O que está enraizado dentro de cada ser humano, muito difícil mudar. Apesar de tudo isso, vamos continuar a luta.

  9. Cara, parabéns pelo texto. Vc foi ao âmago do problema, e a Dora, aí em cima, o traduziu perfeitamente: o racismo nunca vai acabar. Não acabou nos EUA, e não acabou na Ucrânia, onde pessoas presentes em um jogo de futebol ofendem um jogador negro (brasileiro), apesar de muitos dos avós deles certamente terem sido enviados para a morte por serem considerados “racialmente inferiores” pelo agressor nazista. Não sei como é na Ucrãnia, mas nos EUA o governo federal resolveu tomar providências quando começou a ficar patente a fratura na sociedade provocada pela existência de leis e de costumes (que no direito de lá, em certos momentos têm força de lei) que segregavam a população negra e, dessa forma, a impedia de exercer a plena cidadania. Como aqui, muitos alegavam que “tinham direito de estudar numa escola segregada”. O Estado acabou com isso, no início dos anos sessenta. De lá para cá, a maioria dessas pessoas provavelmente continua racista – diria que é burro tem de pedir a Deus que o leve e o diabo que o carregue. Mas a população negra ascendeu ao pleno direito de cidadania. “Mudanças culturais” podem até acontecer, como tem sido alegado por aqui. Mas se demorarem mto (como costuma a ser) o Estado tem de tomar providências para apressa-las.

  10. É como diz o Criolo (rapper paulista) numa de suas músicas: “…acostumados com sucrilhos no prato…”. Sucrilhos e racismo, (ou no mínimo falta de uma percepção mais perfeita das coisas), sobram no prato de quem se manifesta contra as cotas.

  11. Eu até entendo q os brancos sejam contra as cotas, e não venham me dizer q nunca sofreram nenhum tipo de preconceito, pois tem aquele q é gordo, ou mto magro, ou cabelo enroladinho, ou usa aparelho, ou usa óculos, ou.. ou… ou…menos o preconceito por serem brancos.
    mas negros serem contra…, isso me deixa profundamente revoltada.Pensem um pouco nos seus antepassados, nos seus amigos, na sua família. A grande maioria nunca teve acesso a nada.
    Sou negra, casada com um negro formado em engenharia pela Politécnica -USP – p/q o pai mesmo sem curso superior investiu pesado na educação dos filhos.Na festa de formatura ele era o unico negro e juntando todas as turmas de engenharia eram apenas 3 negros homens e nenhuma mulher.
    Parabéns ao STF !!!

  12. lha, não sou contra as cotas pq tb existem brancos pobres ou pela maioria dos argumentos contrários acima.
    Sou contra pq acho q existem maneiras mais inteligentes de se mudar isso. Nos EUA onde existe muito mais preconceito racial as cotas foram proibidas pelo supremo deles. Ok lá o racismo e outros preconceitos e discriminações são mais explícito e não velado como é no Brasil (qual é pior eu não sei, ambos trazem sérios problemas). Mas as ações afirmativas procuram atuar de forma sistêmica ao longo de todo o processo educacional e não apenas na hora de entrar nas universidades.
    Mas no Brasil gostamos dessas balas mágicas visando “resolver” um problema complexo com uma solução simples (na teoria) e equivocada!

    A coisa mais estranha das cotas da UnB é ver por exemplo q irmãos gêmeos foram tratados de forma diferente pela comissão q decide quem é ou não negro e portanto merece entrar pelas vagas da cota.

    Em vez de cotas com percentuais ou números de vagas fixas, sou favorável a algum sistema de pontuação q dê pontos pra quem por exemplo:
    – Estudou em escolas públicas, mais pontos pelos números de anos em q estudou em escolas publicas;
    – Mora por exemplo em áreas “de risco” (favelas, e coisas assim), vem de grupos étnicos (pois não existem raças humanas apenas a espécie humana, somos geneticamente muito mais uniformes/homogêneos/semelhantes q as diversas raças em outras espécies)
    – Renda familiar dividida pelo número de integrantes da família (comprovado pela declaração de imposto de renda e/ou outras formas de comprovação), qto menor for a renda per capta da família mais pontos de vantagem na nota final;

    E assim por diante. Acho q critérios assim seriam;
    1. Mais justos
    2. Mais objetivos
    3. Cumpririam uma função maior q apenas tentar reparar séculos de erros passados (e presentes) com um outro erro…

    • as cotas foram abolidas nos EUA depois de 40 anos em vigor. Hoje nos EUA existem negros em todas as camadas da sociedade. Coisa que nao havia antes das cotas. O racismo nao acabou mas agora os negros batalham de igual pra igual.

      Eu acho que vc nao leu o meu post pra fazer o seu comentario. é impossivel vc nao ter notado que todos os preconceitos e dificuldades que o meu irmao enfrentou e eu nao foi por ser negro. e provavel que geneticamente eu seja bem mais negro que ele. so que a negritude dele e mais VISIVEL. entao e por isso que as cotas funcionam nesse sentido. os racistas nao pedem teste de dna. eles vao pela cara. quem e mais negro e automaticamente barrado. quem e mais branco entra. mesmo sendo pobre.

      vc citou o caso dos gemeos da UNB como exemplo crasso do erro do sistema das cotas. só que esse foi um caso isolado. nao e um erro que invalida todo o sistema. Não existe nada de magico no sistema de cotas. pq o negro que entrar na universidade ainda tera que terminar o curso batalhando pra suprir suas deficiencias de aprendizado que nao foram causadas por ele mas por um sistema educacional deficiente.

      Posso apostar que vc e branco e nunca sofreu racismo na vida. Vc reconhece que houve erros e abusos cometidos contra os negros. Otimo. Dai o que vc propoe e que esses mesmos negros esperem mais 30-40 anos pro sistema educacional como um todo melhorar pra eles terem uma chance. So que. Eles precisam de emprego hoje. Eles precisam da reparação agora. O seu discurso tem essa vibe liberal condenscendente mas é odioso e chega a ser nauseante na verdade. E como se os negros so tivessem o direito a ter reparação de seculos e seculos de abusos SOMENTE como e quando VOCE assim o determinar. Veja bem. Não vai rolar amigo.
      Desculpa, seu tempo passou.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s